Praticamente mil milhões de pessoas usam o Facebook nos dispositivos móveis


O Facebook tem hoje 1,23 mil milhões de utilizadores activos por mês. Desses, 75% (isto é, 945 milhões) são mobile. E, destes, 30% (qualquer coisa como 300 milhões) são mobile-only. Os dados dizem respeito ao último trimestre de 2013 e foram relevados esta quarta.

À medida que o número de utilizadores globais do Facebook estabiliza (recorde-se que nem todos têm acesso à Internet), o número de utilizadores mobile do mesmo tem aumentado. Por mês, mais de 1,23 mil milhões estão activos no Facebook, um aumento de apenas 16% relativamente ao último trimestre de 2012.

No mobile, existem hoje 945 milhões de utilizadores. É quase 1 mil milhões de pessoas a usarem o Facebook em smartphones e tablets! Em 2012, o Facebook tinha apenas 680 milhões de utilizadores nestas plataformas. De referir ainda que cerca de 300 milhões de utilizadores acedem ao Facebook unicamente através do mobile, isto é, são mobile-only. Este número praticamente duplicou desde o ano passado.

Diariamente o Facebook é acedido por 757 milhões de utilizadores; dessas, 556 milhões são mobile (um aumento de 49% relativamente a 2012).

Por outro lado, 53% dos 2,5 mil milhões de receitas que o Facebook somou nos últimos três meses de 2013 vieram da publicidade mobile. Esta é uma meta incrível para a empresa, que tem dito estar cada vez mais focada nos smartphones e tablets.
“Se 2012 foi o ano em que tornámos o nosso produto num produto mobile, 2013 foi o ano em que tornámos o nosso negócio num negócio mobile”, comentou Zuckerberg. “Esta é uma excelente forma de terminar um ano.”

Messenger, Instagram, Paper…

A estratégia do Facebook para continuar a crescer no mobile é desenvolver um conjunto de apps independentes para iOS e Android. “A nossa teoria é que existem diversas formas de as pessoas querem comunicar”, disse Zuckerberg, acrescentando que a ideia é “criar uma mão cheia de experiências diferentes que as pessoas não associem ao Facebook.” O Messenger é uma destas experiências, o Instagram é outra e o Paper é outra, qual será a próxima?

Com um portefólio de apps, o Facebook conseguirá trabalhar nichos específicos, tornando a rede social numa espécie de agregador. Estas apps respondem também à nossa necessidade de partilha selectiva. “A nossa visão é criar um conjunto de produtos que permitem aos utilizadores partilharem conteúdo com a audiência que querem”, disse Zuckerberg.

“Nem todos nós queremos partilhar com todos os nossos amigos de uma só vez”, acrescentou, referindo ainda que o futuro “passa por dar às pessoas o poder de partilharem com diferentes públicos, diferentes grupos.” Os Facebook Groups e o Messenger, mas também o Instagram, permitem esta partilha mais selectiva. Os grupos têm hoje 500 milhões de utilizadores; são “um produto core”, apontou Mark Zuckerberg. O Messenger – que no passado mês de Novembro foi renovado – cresceu 70% nos últimos 3 meses.