Cabeça sensível, coração forte


Ali Mohammadian é mais um nome para a colecção “heróis do quotidiano mundano”. Um professor que deu ao mundo a maior de todas as lições: uma lição de vida.

Como qualquer herói do quotidiano, Mohammadian era até aqui um anónimo professor primário em Marivan, uma cidade curda no Oeste do Irão. Mas porque um país que desrespeita sistematicamente os mais basilares direitos humanos também pode dar provas de algum tacto e humanismo, Ali Mohammadian ganhou projecção mundial.

Ao suspeitar que um dos seus alunos estava a ser vítima de bullying, depois de este ter ficado sem cabelo no tratamento de uma doença rara, o professor Mohammadiandecidiu erradicar de vez o problema da exclusão do aluno: rapou também ele o cabelo, como forma de solidariedade. Bingo! A receita resultou e, no espaço de duas semanas, toda a turma tinha rapado o cabelo, como forma de solidariedade para com o colega doente.

Com a sempre fiel ajuda do “trampolim” chamado Facebook, rapidamente se tornounum herói nacional. Na foto, de cabelo rapado juntamente com o aluno, pode ler-se: “as nossas cabeças são sensíveis ao cabelo”. As cabeças e as consciências de todos os outros foram, também elas, sensíveis ao caso e ao feito quase heroico de Ali.

O professor foi reconhecido pelo presidente do Irão, Hassan Roubani, que decidiu apoiar financeiramente o tratamento médico de que o aluno necessitava.

O final feliz de uma história que tanto podia ser definida pela palavra humanismo como pela maior de todas as palavras: amor. Uma história que tem tanto de simples como de fascinante. No fundo, a prova do que também nas pequenas coisas é possívelextrair grandes ensinamentos. Ou não estivéssemos a falar de um professor e de um aluno.