“OK Glass, play a game”


Para já, o Glass permite enviar mensagens, telefonar, partilhar fotos e fazer outras coisas que os smartphones normais também fazem. Mas não serve para gaming. De forma a incentivar os programadores a desenvolverem jogos para o Glass, a Google criou 5 jogos pequenos e simples, que salientam o potencial do produto nesta área.

Dizendo “okay glass, play a game”, os utilizadores acedem ao menu com os 5 mini-jogos. Cada jogo tira partido de uma característica específica do Glass, relacionada com a voz e/ou com o movimento.

  • Tennis: usa o giroscópio e o acelerómetro para detectar as inclinações da cabeça do jogador, permitindo-o acertar na bola;
  • Balance: através do acelerómetro, o objectivo é fazer com que um conjunto de formas não tombem para o chão;
  • Clay Shooter: usa o reconhecimento da voz para matar pombos de barro no ar;
  • Match: o objectivo é emparelhar objectos usando a movimentação da cabeça;
  • Shape Splitter: permite cortar objectos com as mãos em frente à câmara do Glass.

Apesar de todos os jogos fazerem uso dos sensores do Glass para a interação entre jogador e objectos virtuais ser possível, esses objectos não interagem com nada do mundo real. Por outras palavras, estes mini-jogos ficam àquem de oferecer uma experiência completa de realidade aumentada.

Uma última nota para dizer que se já é estranho alguém estar a usar o Glass na rua, deverá ser ainda mais estranho uma pessoa estar a dizer “bang!” e a abanar a cabeça na rua.