Novo protótipo do Oculus Rift mostrado no CES 2014


A realidade aumentada esteve bem presente no CES 2013 com o Oculus Rift. Em 2014 foi apresentada uma versão melhorada destes aguardados óculos, que ainda não é a versão final para o mercado. O novo protótipo chama-se Crystal Cove.

Este novo protótipo resolve alguns problemas da primeira versão, como o motion blur que deixava algumas pessoas mal dispostas. O ecrã passou de LED a OLED, o que, para além de aumentar a resolução para 1080p e de reduzir a latência para 30 milissegundos, torna a imagem visualizada mais límpida e faz sobressair os detalhes dos mundos virtuais.

Por outro lado, foi introduzida uma câmara capaz de rastrear a posição do utilizador no espaço, adicionando mais possibilidades de movimento aos óculos. Na verdade, com esta nova câmera, o utilizador pode aproximar-se dos objetos: se inclinar para para a frente, a câmera do jogo segue esse movimento e faz uma aproximação. Na versão anterior, a cabeça era como um ponto fixo que podia rodar 360 graus.

Palmer Luckey, o fundador da startup que está por detrás deste projecto, já veio assegurar que tornar o Oculus Rift num aparelho acessível para as massas é o objetivo número um da empresa, que conseguiu recentemente assegurar um investimento de 75 milhões de dólares que permitirá iniciar a produção em massa do dispositivo.

Todos dizem que a experiência é fantástica, mas fica por responder por razão levaria alguém a comprar um Oculus Rift. O mesmo se aplica ao Virtuix, que utiliza o Oculus Rift para a visão, mas o resto, é uma estrutura que se fixa à cintura e uns ténis que servem de sensores para a base que fica por baixo.