iBeacon chega tímido às lojas Apple dos EUA

Discretamente a Apple começou a usar nas lojas físicas uma das armas secretas do iOS 7, o iBeacon. O objectivo é oferecer aos clientes uma experiência de compra baseada na localização exacta destes dentro da loja. O iBeacon funciona para já em 254 lojas Apple dos EUA através da app Apple Store, disponível para iPhone.

Nas lojas, estão escondidos nas mesas pequenos transmissores Bluetooth low-power que, através do iBeacons do iOS 7, comunicam com os iPhones das pessoas que estão dentro da loja, enviando-lhes notificações push relevantes de acordo com a posição exacta delas nessa loja. Por exemplo, se estiverem na zona dos acessórios, recebem uma notificação para verificarem os detalhes e os reviews dos produtos que estão à sua frente. Uma aproximação à secção dos iPhones resultará num aviso a recomendar a verificação da elegibilidade para um upgrade. Para que este sistema funcione, é preciso activar as notificações na app Apple Store para iPhone, ter o Bluetooth ligado na loja e permitir que a app referida actualize no background (isto é, sem estar aberta).

applestore_ibeacon_01

A Apple introduziu o iBeacons em muitas lojas físicas dos EUA, mas tudo numa fase ainda muito embrionária. Quem já testou o serviço diz que ele, neste momento, pouco acrescenta à experiência que um cliente comum já tem na loja. Na verdade, só duas notificações parecem estar activas: 1- na mesa do iPhone, recebe-se um aviso para verificar se a pessoa é elegível para trocar o iPhone que possui por um novo e qual o custo dessa operação; 2- na secção de acessórios, a app encoraja a fazer scan aos artigos para obter reviews dos mesmos e proceder à sua compra através do EasyPal, um serviço que permite fazer o pagamento directamente no iPhone (não é preciso um empregado).

applestore_ibeacon_02

De resto, e não contabilizando a mensagem de boas-vinda recebida à entrada da loja, mais nenhuma notificação apareceu a quem testou o sistema. Nada acontece ao mexer num iMac, num MacBook ou num iPad, por exemplo, talvez para não spammar as pessoas com notificações. Imagine-se o que seria ter o iPhone a vibrar com um aviso em cada canto da loja?

applestore_ibeakon_03

applestore_ibeakon_04

Ainda há muito a melhorar e a experimentar. Por exemplo, é preciso evitar que as pessoas recebam notificações repetidas sempre que regressam a uma área da loja onde já haviam estado. A linha entre melhorar a experiência de loja e spammar os clientes é ténue, mas tem de ser respeitada. Talvez por isso é que a Apple tenha lançado este serviço sem grandes alaridos e só com algumas funcionalidades.

O iBeacon nas Apple Stores é algo que está a ser construído aos poucos, de forma a que as notificações sejam pertinentes e úteis. É interessante pensar em formas mais inovadoras de utilizar esta tecnologia, principalmente tendo em atenção que a Apple tem um registo sobre o nosso comportamento de compra através da Apple ID e do iCloud. Sabe o que fazemos, se compramos música ou não, que música compramos, que apps descarregamos, que aparelhos temos, há quanto tempo os temos, o que é que comprámos na Online Apple Store, etc.

Por isso, por que não sugerir uns auscultadores ou umas colunas de som a um utilizador que descarrega muita música? Ou sugerir um MacBook Pro em detrimento de um MacBook Air se as apps que mais utiliza são de filmes, fotografia e som? Ou dizer qual a melhor capa para iPhone com base nos reviews? Ou, ainda, indicar a configuração do MacBook Pro mais popular?

O potencial é praticamente infinito. A tecnologia iBeacons do iOS 7 poderá vir a ser aproveitada por retalhistas, museus, bibliotecas, arenas desportivas, espaços de concertos… num futuro próximo. O potencial é imenso. Aliás, o armazém norte-americano Macy’s (uma espécie de El Corte Inglés) já começou a testar esta tecnologia. A Apple precisa de dar o exemplo e de provar a todas essas entidades a utilidade da tecnologia.

Partilha nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
  • Jornalista, adepto de cidades humanas e curioso por ideias que melhorem o país. Co-fundei o Shifter em 2013, sou desde 2020 coordenador do projecto editorial Lisboa Para Pessoas.

Contribui para o Shifter para mais artigos como este:

2 €/mês

5 €/mês

10 €/mês

15 €/mês

Donativo

Artigos Relacionados

Junta-te à Comunidade
Jornalismo é aquilo que fazemos todos juntos. Entra na Comunidade Shifter e faz parte da conversa.
Sabe mais
Em teste

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt