Google+ e YouTube: um casamento com futuro?


“Por que raio preciso de uma conta no Google+ para comentar um vídeo?”, pergunta o co-fundador do YouTube Jawed Karim. O novo sistema de comentários do YouTube, que exige um perfil no Google+ para comentar os vídeos, está a dividir opiniões. Alguns não gostam dele, outros acham-no muito bem-vindo.

Para comentar um vídeo no YouTube é agora preciso ter um perfil no Google+. A mudança foi anunciada em Setembro pela Google e aplicada na semana passada. O motivo é simples: criar uma identidade Google transversal a todos  os produtos e serviços, que permita ao utilizador tem uma experiência coerente e à Google perceber quem ele é para lhe dar mais e melhor publicidade. No que ao YouTube diz respeito, na prática, este novo sistema remove o anonimato, o spam, o bulling e os memes dos comentários, tornando estes mais transparentes, interessantes e educados.

Muitos não gostam

Apesar de positiva, a mudança no sistema de comentários do YouTube fez Jawed Karim, um dos fundadores, regressar 8 anos depois ao mesmo. No canal que ainda mantém, fez um segundo post (o primeiro data de 2005) para perguntar “Why the f*** do I need a Google+ account to comment on a video?”.

novoscomentyt_jawed

Emma Blackery, uma youtuber reconhecida (tem mais de 390 subscritores), decidiu escrever uma música sobre o deu descontentamento e cantá-la num vídeo que pode muito bem tornar-se viral. “My Thoughts on Google+” é o título do mesmo.

Existe ainda uma petição online com mais de 54 mil subscritores para a Google permitir a coexistência dos dois sistemas e/ou a eliminação do novo.

É difícil convencer 1 mil milhão de pessoas

No entanto, convencer 1 mil milhão de utilizadores é difícil e o Facebook sabe-o muito bem, por isso é que tem um cuidado extremo sempre que introduz novas funcionalidades. Mas a Google quer entrar no YouTube sem olhar de lado. Primeiro, incentivou os utilizadores a largarem os seus usernames em prol do nome verdadeiro, associando a sua conta do YouTube ao seu perfil no Google+. Depois fez o mesmo para as marcas. Contudo, nunca obrigou ninguém a nada. Até agora, quando decidiu exigir uma presença no Google+ para comentar os vídeos.

Usando o nome verdadeiro nos comentários a vídeos, a Google espera uma melhoria significativa na qualidade destes. É agora possível fazer comentários públicos ou privados para um grupo de pessoas, responder a comentários de outros utilizadores e ver em primeiro lugar aquilo que os nossos amigos (ou as pessoas dos nossos Círculos) dizem.

A Internet gosta do semi-anonimato

O Twitter tem usernames, o Instagram e o Tumblr também. Alguns usernames acabam por revelar o nome verdadeiro do utilizador, outros são completos anigramas. Verdade seja dita, nesses três serviços são as pessoas que decidem como querem aparecer. O YouTube costumava ser assim. O uso do nome verdadeiro torna esta rede social mais boring e menos cool, destruíndo a linguagem própria da mesma.

novoscomentyt_musica

O anonimato faz parte do ADN da internet; impede que exista um registo de tudo o que qualquer pessoa faz online desde que este online existe. Dá mais liberdade às pessoas. No entanto, o anonimato leva muitas vezes à estupidez e ao ódio. São muitos os websites que têm acabado com o anonimato, exigindo uma conta no Facebook para comentar ou um registo no próprio site. Todavia, os utilizadores podem sempre criar contas falsas, com nomes falsos, algo que está a acontecer no YouTube e Google+.

O YouTube está para o Google aquilo que o Instagram está para o Facebook ou o Vine está para o Twitter. A diferença aqui é que estes dois últimos permite que o utilizador tenha nomes diferentes em cada um deles. No caso do Instagram, os utilizadores podem ter alcunhas/usernames, enquanto que no Facebook são obrigados a usarem o nome real; além disso não precisam de associar as duas contas. No Vine/Twitter, acontece a mesma coisa. Contudo, o objectivo da Google é integrar o YouTube e o Google+.

Google+ à força?

Estará o novo sistema de comentários no YouTube a arruinar o Google+? Se, por um lado, a mudança é bem vinda, por outro, há quem esteja a criar contas falsas no Google+ (usando nomes fictícios ou non-sense), contribuindo para a degradação do serviço. Isto pode muito bem aumentar o número de utilizadores, mas muitos deles serão fantasma.