75% do Twitter é mobile


O Twitter começou no mobile e nele pretende continuar. Nos documentos que entregou ao regulador americano, como parte dos processo de entrada em bolsa, a rede social revelou que 75% dos seus actuais 218 milhões de utilizadores estão no telemóvel ou no tablet.

O Twitter tem mais de 218 milhões de utilizadores activos mensalmente; 75% deles são mobile (isto é, 163,7 milhões). Estes dados são de Junho de deste ano. Há um ano, em Junho de 2012, quando a rede tinha apenas 151 milhões, a percentagem de utilizadores mobile era 66%. Diariamente, o Twitter é usado por 100 milhões de pessoas.

“Our mobile products are critical to the value we create for our users, and they enable our users to create, distribute and discover content in the moment and on-the-go. The 140 character constraint of a Tweet emanates from our origins as an SMS-based messaging system, and we leverage this simplicity to develop products that seamlessly bridge our user experience across all devices”, refere a empresa no documento de mais de 160 página que entregou ao regulador SEC.

Por outro lado, o mobile representa 65% do total de receitas publicitárias do Twitter, uma percentagem que, a par do número de utilizadores activos no mobile, deverá aumentar nos próximos meses.

Actualmente, o Twitter não só tem a maioria dos seus utilizadores no mobile, como é deste que obtém a maior parte das receitas. Por outro lado, o engagement é igualmente maior nos smartphones e tablets. “Os utilizadores que geram maior envolvimento são aqueles que acedem ao Twitter através das apps mobile”, refere, acrescentando que uma parte substancial das visitas à Timeline (a homepage do Twitter) é feita nos dispositivos móveis.

Uma das grandes ameaças à utilização do Twitter no mobile provém da Ásia, segundo a própria rede social. Países como a China, o Japão ou a Coreia do Sul têm uma série de serviços locais de conversação em tempo-real (o Sina Weibo, o Line e o Kakao, respectivamente). Todos esses serviços, que se concretizam na forma de mobile apps, representam um entrave à penetração do Twitter nos smartphones e tablets daquelas populações.

2013 tem sido um ano principalmente focado no mobile. A empresa lançou no final do ano passado o Vine, uma app mobile de vídeo; experimentou em Abril o Twitter Music, uma app mobile dedicada à música; e adquiriu recentemente o MoPub, uma empresa especialista em publicidade mobile.

Uma nota final do Twitter: “Our metrics are also affected by mobile applications that automatically contact our servers for regular updates with no user action involved, and this activity can cause our system to count the user associated with such a device as an active user on the day such contact occurs.”

A caminho da bolsa…

O Twitter ainda não formalizou uma data para entrar em bolsa. Na última quinta, entregou ao regulador americano o pedido oficial de entrada em bolsa, indicando um valor de mil milhões de dólares (cerca de 735 milhões de euros) como possível encaixe. Esse valor é apenas indicativo. A empresa também ainda não esclareceu onde quer ser cotada, sendo que irá usar o símbolo de cotação TWTR.

Nos documentos entregues ao regulador, o Twitter revelou receitas de 317 milhões de dólares no final do ano passado, mais do dobro em relação a 2011 mas ainda assim no negativo: a empresa perdeu 79 milhões de dólares em 2012. Nos primeiros seis meses de 2013, o Twitter teve prejuízos de 69 milhões de dólares, com receitas de 253,7 milhões.

O Twitter – cuja maior fatia de utilizadores está fora dos EUA (77% no segundo trimestre deste ano) – espera um crescimento grande em seis países: Argentina, França, Japão, Rússia, Arábia Saudita e África do Sul. (Nota: é nos EUA que a rede social faz mais dinheiro: 75% das receitas totais.)