Telemóveis modulares: uma boa ideia abandonada pela Google e pela LG


O LG G5, o smartphone topo-de-gama da LG, apresentado no início de 2016 em Barcelona, foi o primeiro telemóvel modular a chegar às mãos dos consumidores. Na altura, a Google estava a aprofundar a mesma ideia com o seu Project Ara, ainda sem nada lançado.

A Google anunciou em Setembro passado a suspensão do Project Ara, ou seja, o telemóvel modular que tinha em desenvolvimento não será lançado no mercado, nem para programadores, apesar do anúncio feito em Maio. Também a LG parece ter colocado o conceito dos módulos de parte. O Wall Street Journal (WSJ) refere que o LG G6 será um equipamento convencional, sem os “Friends”.

Na base da decisão da sul-coreana, estarão as vendas fracas do G5 – de acordo com um porta-voz da LG, citado pelo WSJ, os consumidores não estão interessados em telemóveis modulares. O LG G6 deverá ser lançado no final de Fevereiro em Barcelona, cumprindo-se o calendário anual de lançamentos para as grandes telemóveis. Quer a LG quer a Samsung apresentam os seus topo-de-gama no MWC, a maior feira europeia de tecnologia, este ano marcada para de 27 de Fevereiro a 2 de Março.

Apesar de tudo, os telemóveis modulares eram uma boa ideia. Pela primeira vez, os utilizadores poderiam não só personalizar o seu smartphone com as apps que quisessem, como também escolher o hardware que bem entendessem. Por exemplo, amantes de fotografia poderiam comprar um módulo com uma boa câmara e inseri-lo no seu telemóvel. Uma bateria mais duradora ou um processador mais rápido? Também se arranja. O ecrã partiu-se? Podes comprar um novo e facilmente substitui-lo.

Se eram uma boa ideia, o que falhou? Talvez a aposta da LG chegou cedo demais, principalmente quando estamos a falar do seu principal telemóvel. Os preços dos módulos ou a sua execução podem também não ter convencido os consumidores, que, por outro lado, podem não ter percebido a vantagem do conceito modular. Será que a LG, a Google ou outra fabricante regressarão no futuro a esta ideia?

Previous Afinal, o uso de capacete deve ou não ser obrigatório para ciclistas?
Next ‘Minimalism’: um documentário sobre as coisas importantes