Medium despede 50 pessoas e vai procurar novo modelo de negócio


Podemos fica a falar do quão gostamos ou não do Medium, do quão bonito é a sua interface e de como as suas inovadoras funcionalidades modernizaram o blogging. Mas, mesmo tendo os leitores e publicações no Medium crescido 300% no último ano, a plataforma não está a conseguir fazer dinheiro.

A empresa anunciou que vai despedir 50 pessoas, cerca de um terço da sua equipa, e redefinir o seu modelo de negócio, sem deixar de parte a missão definida originalmente em 2012: “criar uma plataforma que definisse um novo modelo para os media na internet”, nas palavras de Ev Williams, CEO do Medium. Os cortes de pessoal vão ocorrer principalmente nas áreas de vendas e suporte.

“Em 2016, fizemos grandes investimentos em equipas e tecnologia com o objectivo de atrair e migrar publicações comerciais para o Medium. E para que essas publicações ganhassem dinheiro, criamos e começámos a vender os nosso primeiros anúncios. Esta estratégia funcionou em termos de impulsionar o crescimento, bem como de melhorar o volume e a consistência do bom conteúdo. Alguns dos melhores editores da web estão agora no Medium, e estamos felizes em trabalhar com eles todos os dias”, acrescenta.

“Contudo, ao criar este modelo, percebemos que não tínhamos ainda a solução certa para a grande questão sobre como pagar a quem faz conteúdo de qualidade”, refere Ev Williams. O dono do Medium acrescenta que o modelo baseado em venda de anúncios é um “sistema quebrado”“simplesmente não serve as pessoas”, acrescenta. “A grande maioria dos artigos, vídeos e outros conteúdos que todos consumimos diariamente são pagos – directa ou indirectamente – por corporações que estão a financiá-los para cumprir os seus objectivos”, diz ainda, referindo-se também a questões problemáticas como o clickbait e as notícias falsas. “Como resultado, temos … bem, o que temos. E está ficando pior.”

O Medium vai procurar uma alternativa de sustento que vá além da publicidade gerada pelo número de visualizações – “um novo modelo para escritores e criadores serem renumerados, baseado no valor do que estão a criar para as pessoas”.  Ev Williams, um dos fundadores do Blogger (comprado pela Google) e do Twitter, não descreveu o novo modelo de negócio que o Medium vai implementar, mas afirmou que o mesmo irá recompensar autores e criadores de conteúdo com base na sua “capacidade de esclarecer e informar, e não simplesmente pela sua capacidade de atrair alguns segundos de atenção”.

Podes ler mais sobre o futuro do Medium aqui.

Previous Clientes da Vodafone Portugal podem usar saldo para comprar no Google Play
Next Porque não deixamos as redes sociais? Estudo dá umas pistas