#SHIFTER2016: a ciência que marcou o ano


Por todo o lado se pede o fim de 2016. De preferência rápido, antes que leve mais alguma celebridade. Mas nem tudo foi mau neste ano de que nos despedimos, e os avanços na área da ciência foram notáveis e motivo de júbilo. Uma coisa é certa, para o bem e para o mal, será um ano inesquecível.

A seguir trazemos-te dez das melhores histórias mais marcantes na área da ciência e que com certeza revelarão o seu impacto nos anos que se avizinham. Desde descobertas incríveis na Física, a tratamentos revolucionários na Medicina, com a indelével marca da Inteligência Artificial, estas são as dez escolhidas pelo Shifter:

Descoberta das ondas gravitacionais

Existem ondas gravitacionais! O anúncio chegou em Fevereiro pela mão do LIGO (Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory), confirmando-se a última previsão da Teoria da Relatividade Geral. As ondas gravitacionais são ondulações provocadas no espaço-tempo pelos objectos com massa. A sua existência era geralmente aceite pela comunidade científica, mas há muitos anos que se tentava provar esta teoria de Einstein.

Com esta descoberta, aumentamos a abrangência daquilo que podemos ver no Universo, até ao seu início. O Universo primitivo, pela sua densidade, era opaco à luz, mas não à gravidade. Serão as ondas gravitacionais a porta de entrada para finalmente visualizar o início de tudo, o Big Bang?

Exoplaneta Proxima b

Foi baptizada de Proxima b pelos astrónomos da ESA (Estação Espacial Europeia) e está a apenas 4,3 anos-luz da nossa Terra. Trata-se de um exoplaneta, pouco maior que a Terra, e localizado a uma distância da sua estrela que o coloca na “zona habitável”. Os cientistasOs pensam trata-se de um planeta rochoso e acreditam que pode ter água em estado líquido.

A Proxima b tem uma massa 1,3 vezes superior à Terra e está a mais perto da sua estrela que o nosso planeta do Sol. A rotação do Próxima b, a forte radiação emitida pela sua estrela e a história da formação do planeta tornam, segundo os cientistas, o seu clima muito diferente do da Terra, sendo pouco provável que o exoplaneta tenha estações.

Portugal auto-suficiente em energias renováveis durante 4 dias

Em Maio, Portugal funcionou durante quatro dias consecutivos à base de chuva e de vento. Sem recorrer a nenhuma fonte de produção de electricidade não-renovável, como o carvão ou gás natural. Um feito que não passou despercebido a nível internacional, tendo o jornal britânico The Guardian inclusivamente eleito o acontecimento como um dos 12 momentos chave na área da ciência no ano de 2016. Good job, Portugal!

Bebé com três pais

No dia 6 de Abril, o mundo deu as boas vindas à primeira criança nascida com o material genético de três pessoas. O que à primeira vista parece altamente impossível e passível de gerar bastantes considerações éticas, é, na realidade, a possibilidade do menino ter uma vida saudável.

Após vários abortos e a morte de dois filhos em idade muito jovem vítimas de uma rara doença neurodegenerativa, o síndrome de Leigh, o casal não quis arriscar e recorreu ao Dr. John Zhang, médico de Nova Iorque . O problema residia então no DNA presente nas mitocôndrias das células maternas. As crianças herdam material genético de ambos os pais, que compõe os cromossomas presentes no núcleo, mas o pouco material genético contido nas mitocôndrias é herdado somente do lado materno. O médico levou a cabo um método revolucionário, a Terapia de Substituição Mitocondrial, que cria um óvulo com o material genético nuclear dos dois progenitores mas com o DNA mitocondrial de uma dadora anónima. Na prática a criança tem todas as características fenotípicas herdadas dos pais mas sem o nocivo DNA mitocondrial.

A técnica é sem dúvida salvadora para os casos de doenças mitocondriais que, apesar de terem gravidade variável, afectam 1 em cada 10000 crianças que nascem. Contudo, discutem-se já implicações éticas, a começar pelo facto de que podem ocorrer eventuais danos genéticos não só no indivíduo mas que serão também transmitidas à futura prole. O que é facto é que a técnica foi recentemente legislada no Reino Unido e filhos com três pais serão uma realidade no ano que se avizinha.

Inteligência Artificial derrota humano em jogo de tabuleiro

Em Março, o AlphaGo, programa de inteligência artificial desenhado pela empresa DeepMind, que pertence à Google, venceu três vezes seguidas o sul-coreano Lee Se-dol, campeão mundial do jogo de mesa Go, e tornou-se vencedor do novo desafio máquina-homem no denominado xadrez oriental.

Este jogo de origem chinesa, com mais de dois milénios de história, distingue-se do xadrez que tão bem conhecemos pelo facto de possuir inúmeras combinações e de, segundo os especialistas, assentar bastante na experiência e na intuitição do jogador. Durante os últimos anos, em que os computadores já haviam inclusivamente batido os grande mestres em jogos de xadrez, afirmava-se que o Go estaria aquém das suas capacidades. Ora Lee, campeão mundial invicto e com anos de experiência, ficou estupefacto com o modo de jogar do AlphaGo e com as novas abordagens que este fez ao jogo, repensando mesmo as suas táticas ao longo do embate, no qual perdeu quatro jogos e ganhou apenas um.

Bebé nascido em Portugal de mãe que esteve em morte cerebral durante 15 semanas

Não é só lá fora que se fazem as grandes descobertas e os mais inovadores procedimentos. A medicina portuguesa deu cartas este ano e um dos mais fantásticos e mediáticos feitos foi este caso. A história do menino que nasceu em junho, com a particular excepção de ter estado em gestação durante 15 semanas com a sua mãe em morte cerebral.

Tudo ocorreu em fevereiro quando a mãe sofreu uma hemorragia intracerebral que a fez entrar em estado de coma, tendo sido posteriormente declarada a morte cerebral. Contudo, por manutenção da viabilidade do feto, uma equipa multidisciplinar de obstetras e intensivistas com o parecer favorável da comissão de Ética, decidiu manter o suporte vital à mãe de forma a que a gestação fosse levada a bom termo. Desta resultou um menino saudável com 2530 gramas, naquele que foi o mais longo período de gestação num caso desta natureza. Um exemplo de que em Portugal também se fazem histórias bonitas.

Alterações climáticas: diminuição da camada de gelo na Antártida

Soubemos recentemente que o glaciar Pine Island, no manto de gelo da Antártida Ocidental, está a rachar a uma velocidade assustadora, podendo resultar num colapso antecipado do manto que o compõe. As suas consequências são muitas e além da devastação do habitat de várias espécies, surge o risco de inundação de cidades costeiras, com graves repercussões para as populações que aí habitam.

Com o início do ano a ser marcado pelo acordo de Paris a tentar combater as alterações climáticas, novos dados alarmantes revelam o dano provocado pelos gases derivados da indústria nos nossos ecossistemas. Entretanto, novas formas de energia vêm trazer esperança de redução das emissões de carbono e da tentativa de retardar as alterações que todos os anos se vão documentando. Mesmo que alguns recém-eleitos líderes mundiais duvidem da sua veracidade…

Anti-matéria observada

O projecto ALPHA no CERN conseguiu medir, pela primeira vez, o espectro óptico de um átomo de antimatéria, após 20 anos de investigação neste assunto. O feito é importante para se conseguir perceber o porquê de o Universo ser quase todo constituído por matéria, apesar de a matéria e a antimatéria se terem formado em quantidades iguais aquando do Big Bang.

Como Jeffrey Hangst, porta-voz do ALPHA, explica, “conseguir observar a transição num átomo de antihidrogénio e compará-la a um átomo de hidrogénio para ver se obedecem às mesmas leis da física sempre foi um dos objectivos principais na investigação da antimatéria”.

Foguetão da SpaceX aterrou numa jangada

Depois de várias tentativas, o momento histórico lá aconteceu: a SpaceX de Elon Musk conseguiu, pela primeira vez em Abril, aterrar um foguetão Falcon 9 numa “jangada” flutuante – sim, no meio do mar.

Aterrar foguetões de forma controlada, principalmente em pleno mar, é um passo importante para a exploração espacial, uma vez que, segundo a SpaceX, o reaproveitamento de foguetões permite baixar substancialmente os custos totais das missões. Agora que a SpaceX mostrou que pode fazer os dois tipos de aterragens – tanto na terra, como no mar –, a empresa pode, potencialmente, recuperar e reutilizar ainda mais foguetões no futuro.

Cientista portuguesa faz progressos na investigação do HIV

A portuguesa Carla Ribeiro, actual investigadora no Academic Medical Center (Amesterdão, Holanda), publicou na revista Nature um artigo que explica o mecanismo que torna determinadas células humanas naturalmente resistentes ao vírus HIV. Tratam-se das células de Langerhans e são umas das primeiras células que interagem com o HIV após contacto sexual e residem em diferentes tecidos humanos, tais como a vagina, o prepúcio ou o intestino.

De acordo com os investigadores, esta descoberta abre portas para desenvolver novos métodos preventivos contra o HIV, mas também para destruir o vírus após uma infecção.

A rúbrica #SHIFTER2016 é escrita em colaboração entre vários elementos da equipa e procura reflectir a diversidade de tons, gostos e abordagens que nos caracterizam, sem a pretensão de selecionar o melhor mas sim o mais marcante para a nossa redação.
Previous #SHIFTER2016: os melhores álbuns portugueses
Next #SHIFTER2016: as surpresas tecnológicas