O plano da Câmara de Lisboa para melhorar a Carris já a partir de Janeiro


A Câmara Municipal de Lisboa e o Governo assinaram esta segunda-feira o memorando de entendimento do novo modelo de gestão da Carris, empresa de transportes que, a partir de 1 de Janeiro de 2017, estará nas mãos do autarca Fernando Medina.

“A Câmara Municipal de Lisboa está preparada para gerir a Carris. A empresa será dotada dos meios para funcionar corretamente”, afirmou o Presidente da Câmara de Lisboa, esta manhã, numa cerimónia que decorreu no Museu da Carris.

O acordo assinado introduz várias medidas que serão aplicadas a partir do próximo ano. Entre elas, está uma redução no preço do passe Navegante para idosos, que baixa de 26,75 euros para 15 euros mensais. Até aos 12 anos, passa a ser gratuito. Para todos os outros, o Navegante mantém-se nos 35,65 euros.

A CML anunciou ainda a contratação de 220 motoristas para colocar “mais autocarros em circulação” e a aquisição de 250 novos autocarros, menos poluentes, para substituir parte da actual frota. Será ainda reforçada a rede de transportes nos bairros com 21 novas carreiras, “desenhadas com cada junta de freguesia”, cujo percurso será por mercados centros de saúde, escolas, farmácias e zonas comerciais.

Foram ainda anunciada a criação de 7 corredores BUS “de elevado desempenho em percursos estruturantes”, que sirvam as principais carreiras da cidade: 750, 746, 756, 736, 705 e 728 e E15. De acordo com a Câmara, estes corredores incluem uma faixa exclusiva para os autocarros, a redução de obstáculos, a instalação de semáforos para facilitar a prioridade da via e outras soluções.

A Carris vai contar ainda com uma nova aplicação para telemóvel que mostrará em directo o tempo de espera e do trajecto, bem como os percursos mais rápidos. Até ao final do primeiro semestre do ano, será ainda instalado wi-fi gratuito em toda a frota. A Câmara de Lisboa prevê ainda criar 4455 novos lugares de estacionamento para que as pessoas possam deixar o carro fora do centro da cidade e usar os transportes públicos para se deslocarem até à escola ou trabalho.

“A Carris funcionará numa nova lógica integrada de gestão da mobilidade em toda a área metropolitana”, completou Fernando Medina. A gestão da Carris pela CML era uma ambição antiga da autarquia e concretiza-se agora depois do actual Governo de António Costa ter suspendido a subconcessão da Transportes de Lisboa, processo iniciado pelo anterior Governo de Passos Coelho.

Foto de: Viktor Kirilko/Flickr

Previous Ílhavo está a apostar na cultura como mais nenhum município está
Next Os melhores becos sem saída da internet