Humanidade só tem mais 1000 anos na Terra, avisa Stephen Hawking


Stephen Hawking acredita que a Humanidade terá cerca de mais um milénio de vida viável na Terra, sendo apenas uma questão de tempo até que um desastre à escala global nos obrigue a abandonar o nosso planeta. “Não acho que sobrevivamos mais 1000 anos sem sairmos do nosso frágil planeta”, afirmou.

O aviso foi feito durante uma palestra dada na Universidade de Oxford na semana passada, na qual o consagrado físico teórico afirmou que o futuro da Humanidade terá eventualmente de passar pela criação de colónias noutros planetas do Sistema Solar para evitar a extinção da raça humana.

Entre as consequências do aquecimento global, eventuais pandemias derivadas da resistência a antibióticos ou o escalar de armamento nuclear entre nações, Hawking disse que as probabilidades de haver um cataclismo a nível global – ainda que reduzidas atualmente – vão aumentando ao longo do tempo, tornando-se “praticamente uma certeza entre os próximos 1000 a 10 000 anos”.

Mais numa perspectiva de curto-prazo, Hawking disse acreditar que Humanidade deverá ainda demorar um século para conseguir estabelecer uma colónia autos-sustentável em Marte, reiterando por isso que é preciso “muito cuidado” na forma como gerimos o nosso planeta nas próximas décadas.

Esta está longe de ser a primeira vez em que Stephen Hawking, uma referência sem paralelo no seio de comunidade científica mundial, mostrou ter sérias reservas relativamente ao rumo da evolução tecnológica e às suas implicações para a raça humana. Em Dezembro do ano passado, Hawking juntou-se a nomes como Elon Musk, Steve Wozniak e Noam Chomsky na criação da OpenAI, empresa sem fins lucrativos dedicada à pesquisa e à ética no campo da inteligência artificial

Já no mês passado, Hawking disse que a criação de inteligências artificiais avançadas será “a melhor, ou a pior coisa de sempre a acontecer à humanidade”, alertando ainda que a aposta de superpotências em poderosos armamentos autónomos (que não necessitam de intervenção humana para disparar sobre os seus alvos) poderá acarretar graves consequências para o panorama bélico global.

Ainda que depois de uma palestra manifestamente pessimista e preocupante para com o futuro da humanidade, Hawking acabou por concluir a sua intervenção com algumas palavras mais encorajadoras, desafiando os alunos a serem curiosos e a fazer sentido do universo que os rodeia. “Lembrem-se de olhar para as estrelas lá em cima e não para os vossos próprios pés cá em baixo (…) Por muito que a vida pareça difícil, há sempre alguma coisa que podem fazer e ter sucesso. Importa que simplesmente não desistam.”

Previous Novo anúncio do Netflix mais parece um mini-episódio de ‘Black Mirror’. E tem dedo português
Next O triunfo da estranheza multidimensional de ‘Doctor Strange’