ExoMars: as novidades da missão europeia a Marte


A missão ExoMars 2016, levada a cabo pela Agência Espacial Europeia (ESA) em cooperação com a agência russa Roscosmos, chegou a Marte na passada quarta-feira, 19 de Outubro, com o Trace Gas Orbiter (TGO), um dos dois módulos desta missão, a entrar com sucesso numa órbita elíptica em torno do planeta vermelho. Este módulo tem como objectivo principal estudar os gases da atmosfera deste planeta.

Sabe-se também que o segundo módulo desta missão, conhecido como Schiaparelli e que pretendia demonstrar a entrada, descida e aterragem na superfície de Marte, completou com sucesso a maior parte dos passos da sua descida pela atmosfera marciana. Porém, o contacto com este módulo foi perdido momentos antes da aterragem esperada na superfície, tendo-se mantido “calado” desde então.

exomars2016schiaparelli_02

exomars2016schiaparelli_03

No entanto, o paradeiro de Schiaparelli foi entretanto conhecido, após o Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) da NASA ter identificado novas marcas na superfície de Marte que poderão estar relacionadas com este módulo.

A imagem do local expectável para a aterragem do Schiaparelli foi obtida na quinta-feira, 20 de Outubro, pelo MRO e mostra duas novas marcas na superfície, marcas estas que não estão presentes nas imagens tiradas em Maio deste ano pela mesma câmara.

exomars2016schiaparelli_04

Como se pode observar na imagem acima, uma das marcas é brilhante e corresponderá ao pára-quedas de 12 metros de diâmetro usado pelo Schiaparelli durante a descida.

A segunda marca, representada por uma mancha preta, está a cerca de 1 km de distância do pára-quedas. Esta marca será o resultado do impacto do módulo Schiaparelli após uma queda livre superior à planeada devida ao facto dos propulsores terem sido desligados prematuramente. É também possível que o módulo tenha explodido no impacto, já que os tanques de propelente estariam cheios.

No entanto, todas estas interpretações preliminares serão confirmadas após uma análise mais detalhada dos dados recolhidos pelo TGO, que foi recebendo sinais do módulo durante a sua descida.

Apesar da possível perda do Schiaparelli, o TGO da missão ExoMars 2016 encontra-se em órbita de Marte com um período de 4.2 dias e em pleno funcionamento. O TGO irá recolher dados para calibração durante duas órbitas no próximo mês de Novembro.

Após a calibração, o TGO irá começar as manobras de aerotravagem em Março de 2017 que se prolongarão por todo o ano, resultando numa órbita circular de 400 km de altitude em torno de Marte.

O TGO começará então a sua missão principal de estudar a atmosfera de Marte, na procura de possível indicadores de vida abaixo da superfície. O TGO irá também funcionar como uma estação de telecomunicações para a missão ExoMars 2020, que pretende enviar um rover europeu e uma plataforma de superfície russa até à superfície do nosso planeta vizinho.

Previous Em tour com os First Breath After Coma (VII)
Next O Guilherme dos Salto lançou um EP a solo