Linha Verde do Metro de Lisboa vai receber 6 carruagens em 2017


A estação de Arroios do Metro de Lisboa vai encerrar no segundo semestre de 2017, para dar início às obras de requalificação que permitirão alargar o cais de 70 para 105 metros. As obras inserem-se num investimento de 22 milhões de euros, destinado a melhorar o serviço de metro da capital.

Com o encerramento da estação de Arroios e a conclusão das obras na estação do Areeiro, na Linha Verde passarão a circular comboios de 6 carruagens na segunda metade de 2017. Arroios estará encerrada durante 18 meses e, em alternativa, os utentes deverão utilizar as estações dos Anjos e do Intendente, situadas a menos de 350 ou 400 metros.

Além de Arroios e Areeiro, serão intervencionadas também as estações do Cais do Sodré, Colégio Militar e Olivais e ainda realizadas obras em viadutos. O Metro de Lisboa vai ainda contar com 400 mil euros anuais para solucionar avarias, nomeadamente em escadas rolantes e elevadores, e já deu início a um processo para contratar 30 novos colaboradores.

Um serviço degradado

Notícias sobre a degradação do serviço de metro da capital têm ocupado as páginas dos jornais recentemente, depois de a Comissão de Utentes do Metro de Lisboa ter vindo a público denunciar os problemas com que milhares de pessoas se cruzam diariamente. Desde as constantes perturbações na circulação à falta de manutenção e avarias do material circulante, sem esquecer o mau funcionamento da Linha Verde, onde circulam apenas três carruagens por comboio, constantemente sobrelotadas.

“O serviço prestado pelo Metropolitano de Lisboa está longe de servir as necessidades da população que reside ou trabalha na cidade de Lisboa, afastando-se daquele que deve ser o seu objectivo fundamental: assegurar a prestação de um serviço público de qualidade que garanta o direito à mobilidade das pessoas”, considerou a Comissão de Utentes, atribuindo ao “anterior Governo e à anterior administração do Metro” as principais responsabilidades “pelo desastre que está a acontecer”.

Este fim-de-semana, o jornal Público explicava que o Metro de Lisboa tem neste momento 11 comboios encostados, alguns dos quais a fornecer peças a outras composições para que estas possam continuar a circular. “Nas oficinas do Metro de Lisboa, engenheiros e operários desesperam. A administração também. Os stocks de peças já chegaram a zero e teve que se recorrer à canibalização de algumas unidades para que outras possam continuar a circular”, lia-se no jornal.

Foto de: Tiago Fonseca/Flickr

Previous Noiserv vai editar novo disco. Ouve as primeiras 2 músicas
Next Eis o drone da GoPro e novas câmaras de acção Hero5