5 motivos para celebrar Sam The Kid


De entre todas as faixas onde se pode ouvir a mestria de Sam The Kid, não é fácil apontar apenas uma sem ficar ressentido pelas outras que podia ter escolhido. Entre originais, features e beats, quase tudo nos toca de alguma maneira e se torna difícil de destacar. No dia em que Samuel Mira comemora os seus 36 anos, não quisemos deixar passar a ocasião. Seleccionámos 5 músicas marcantes, que vos apresentamos numa lista que é a pior das melhores possíveis num universo com tanta escolha.

1 – “O Recado”

De todos os que ouviram, poucos se terão esquecido d’“O Recado”. Afinal, esta música ensina-nos lições importantes de humanidade que não servem só para o bairro. Com um storytelling tão bom como em sons posteriores (lembro-me de 16/12/95), esta foi uma música icónica em que Sam the Kid nos ensinou a deixar sempre a ganância de lado. E descobrimos que não éramos os únicos a fazer os recados contra a vontade.

A barra inesquecível:
“Quando a minha cota contou eu nem acreditei
Fui intrujado pelo cota que eu próprio intrujei”

2 – “Slides”

“Slides” são fotografias que vemos num formato maior. São também uma metáfora para as nossas memórias e uma forma encantadora de revivermos o mais bonito do passado. Esta nostalgia contada em pequenas aventuras pelo Samuel envolve-se com as nossas lembranças do tempo do Pratica(mente). Porque os nossos slides podem ser diferentes, mas as nossas referencias são tantas vezes as mesmas.

A barra inesquecível:
“Vai atrás no tempo anos 90 na capicua
Noites brancas, mancas-me com um radio cinzento na rua”

3 – “Vem”

Quando aparece um disco de beats como que Sam The Kid fez em 2002, toda a audiência fica estupefacta com a qualidade da produção do jovem músico. Um registo repleto de pérolas, que ajudou a que muitos jovens rappers tivessem uma faixa onde rimar e que ainda deu a “Viva!” ao mundo, fundindo Carlos Paredes e Carlos do Carmo com Hip Hop. E ainda nos apresentou esta “Vem”. Quantos corações apaixonados já esperaram a ouvi-la?

Há um momento na discografia do Sam que revisito quase religiosamente. “Quantidades” e “Dopping” são a 14ª e 15ª faixas da re-edição do álbum Pratica(mente) e a sua sequência um dos momentos mais marcantes da obra do Samuel.

4 – “Quantidades”

“Quantidades” é uma questão de respeito, 4:20 minutos em que as vozes do bairro questionam a vida. A brincadeira com os números é o meio e o objectivo é desconstruir a simples realidade. E se o exercício narrativo do rap já costuma ser matéria para muito pensamento, a forma como esta faixa nos interpela é quase desarmante. Numa mistura equilibrada entre a crueza das ruas e o recorte da poesia que culmina em barras inesquecíveis como:

“Quantas canetas foram gastas em letras
Quantos poetas, profetas
Quantas palavras já disseste em vão
quantas batidas, quantas foram esquecidas
e quanto tempo é que precisas para chegar a uma conclusão.”

5 – “Doping”

“Doping” é isso mesmo, uma espécie de shot de energia e vitalidade. Gravada num dos primeiros dias de 2008, tem a dose de reflexão característica da época e a força de dois amigos com história a rimar juntos. “Doping” junta Snake a Sam the Kid numa celebração realista e pragmática de um novo ano. Com orgulho nos erros do passado mas vontade latente de algo melhor, “Doping” é também a celebração de uma amizade muito marcante na vida do músico.

A barra inesquecível:
“Trazem-me um papel ou um braço
Querem que eu escreva
E eu assino: Do Samuel um abraço.”

(contribuição: Alexandre Couto / foto: Manuel Casanova)